A primeira instituição financeira cooperativa do Brasil

Sicredi
04 / 04 / 2013

Ideias criativas de estímulo à leitura

Livraria fez do livro um item da cesta básica e rede de concessionárias oferece 14º salário para colaboradores que lêem.

No Brasil, 75% da população nunca frequentou uma biblioteca. A média nacional de leitura de livros por ano é 2,1*, muito pouco se compararmos com alguns países da Europa, onde é maior que 10. Para reverter esse quadro, empresas estão tomando iniciativas inovadoras de estímulo à leitura, que são ótimos exemplos para nos inspirar.

14º salário para quem lê

Na rede Cometa de revenda de automóveis, com sede em Cáceres (MT), todos os funcionários que lerem um livro por mês têm direito a um 14º salário. Em cada concessionária do grupo, uma biblioteca oferece em torno de 300 livros sobre liderança, gestão, relações interpessoais, autoajuda e outros assuntos que enriquecem o conhecimento dos profissionais. A adesão ao programa de leitura é livre, mas cerca de 80% dos funcionários participam. "Alguns colaboradores comentam o quanto cresceram depois que passaram a ler com frequência, dizem que o relacionamento em casa melhorou e até voltaram a estudar", revelou Cristinei Melo, presidente do Grupo Cometa, ao UOL Economia.  

Item da cesta básica

A Livraria da Vila, de São Paulo, quer fazer do livro um item da cesta básica do brasileiro. Por isso, lançou o programa Leitura Alimenta, que recebe doações de livros novos e usados em pontos de coleta ou pelo correio. Através de uma parceria com uma empresa produtora cestas básicas, as obras são enviadas juntamente com os alimentos da para diversos cantos do país. Quem recebe são famílias com acesso limitado à leitura, uma oportunidade para abrir as portas ao prazer de ler. Para quem não vive em São Paulo, há a possibilidade de fazer uma doação em dinheiro, que é integralmente revertida na compra de livros para o projeto.



* Os dados são da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil.

Tags:
SOLIDARIEDADE E COLABORAÇÃO